MEMÓRIA DE ELEFANTE

No seio misterioso da floresta indiana, vivia um caçador chamado Ky Shakhana.
Um dia ele avistou um pobre paquiderme deitado ali no chão, ferido, enorme, inerme.

Shakhana aproximou-se e, num sublime impulso, sentiu-lhe a febre ardente, então tomou-lhe o pulso,

Foi quando viu no pé do agônico elefante, a farpa que lhe causava a dor alucinante.

Rapidamente Ky num gesto habilidoso, logo extirpou-lhe o imenso espinho doloroso.

Depois, com agilidade e competência inata, vinte quilos de sulfa aplicou-lhe na pata.

Enrolou-lhe no artelho um band-aid gigante e por fim ministrou-lhe um galão de laxante.

Afastou-se o bichinho, feliz e curado, deixando do purgante o rastro almiscarado.

Muitos anos passaram. Já velho, Shakhana retomava alquebrado à sua cabana.

Mas eis que da floresta vem de supetão um elefante!

Pois vê nítido e claro, frente ao seu nariz, o band-aid em farrapos e a cicatriz.

O elefante sorri e olha com amor bem no fundo dos olhos do seu salvador, como se lhe dissesse com a pata no ar.”Ah! Me lembro de ti! Como não recordar…

Foi teu gesto gentil que salvou minha vida, aliviando-me a dor, me limpando a ferida!

Não existe elefante que disso se esqueça.

E depois, sutilmente, esmagou-lhe a cabeça.

 

MORAL: A memória do animal ninguém refuta mas tem elefante que é filho da puta!

Jô Soares

No comments yet»

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: